Prefeito Zito Barbosa prestigia jantar realizado pela Abapa para celebrar a boa safra de algodão do Oeste baiano  

Capa

DSC_09 (1)

DSC_09 (2)

DSC_51.34

Realizado pela Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), o Jantar da Colheita, este ano, em sua segunda edição, se traduz em um momento de celebração e agradecimento dos agricultores do oeste da Bahia por mais uma boa colheita nos campos da região. O evento foi na sexta-feira (9), em Barreiras e contou com a presença do prefeito Zito Barbosa que fez questão de levar o seu abraço aos agricultores, responsáveis pela segunda maior produção de algodão do Brasil.

Recepcionado pelo presidente da Abapa, Júlio Cézar Busato, Zito Barbosa cumprimentou os produtores, os deputados estaduais Jusmari Oliveira e Eduardo Salles, além dos prefeitos Oziel Oliveira, de Luís Eduardo Magalhães, e Jandira Xavier de Baianópolis, a vereadora Graça Melo e seu marido, o médico Brancildes Júnior. Acompanhado pelo empresário Paulo Braga, ele ressaltou a importância do agronegócio no Oeste baiano e o papel dos produtores rurais na conquista de números capazes de projetar o Estado em posição de destaque nacional.

“Hoje é um dia especial para todos nós, estamos aqui para render nossa homenagem a estes homens e mulheres que se dedicam à produção da fibra baiana, considerada uma das melhores do mundo, com características próprias inquestionáveis de qualidade. Estes agricultores têm todo nosso respeito e admiração, pois, com um trabalho calcado em pesquisas, investimento em tecnologia e principalmente, com respeito ao meio ambiente, atingem, a cada ano, novos recordes de produção”, disse o prefeito.

Para o presidente da associação, Júlio Busato, a noite foi de celebração pelas conquistas obtidas não apenas na safra que está em curso, mas nos últimos vinte anos, quando os produtores aumentaram a produtividade de 220 arrobas por hectare para 300 arrobas por hectare. Ano passado, a produção de algodão já foi a segunda maior da história, com 1,2 milhão de toneladas. “Precisamos reconhecer que o agricultor está fazendo seu papel, obtendo melhores resultados e com responsabilidade. De toda a área plantada no Estado, 77,7% são certificadas como sustentáveis. Possuímos a maior produtividade de algodão não irrigado do mundo, tudo isso foi possível graças aos investimentos incansáveis e a dedicação de todos”, ponderou.

Bons números – A Bahia é o segundo maior produtor de algodão do país e deve continuar respondendo por 25% da produção nacional. No oeste do estado o cultivo é mantido por 180 produtores rurais, que devem produzir este ano mais de 1 milhão e 300 mil toneladas de pluma e caroço de algodão. Em fase de colheita, a previsão da safra é um crescimento de 15% na produção em relação à safra passada, baseado no incremento de 25,5% de área cultivada, alcançando os 331.028 mil hectares plantados. Cerca de 40% do algodão baiano são exportados para países asiáticos, como Indonésia, Bangladesh e Vietnã, e 60% são comercializado para as indústrias têxtis no Brasil.

Dircom/PMB