Mulher é executada a tiros no Centro de Abastecimento de Barreiras

DSCF9492

DSCF9503

DSCF9505

Uma mulher de 33 anos foi morta a tiros por uma dupla na tarde desta quarta-feira (03), em um dos boxes da feira – livre, no setor de bares do Centro de Abastecimento de Barreiras. Um homem não identificado, segundo o delegado Yves Correia, da Divisão de Homicídios, também teria sido baleado, mas conseguiu fugir durante o tiroteio. Yves estava em companhia da delegada Marineide Pires.

O caso aconteceu por volta das 13h10, no momento em que a barreirense Sirlene do Prado Gomes (mulher morta) estava no bar com outras pessoas. A dupla se aproximou das vítimas, após deixar suas bicicletas há poucos metros, e executou o crime com tiros a queima roupa.  Os disparos atingiram a cabeça e região do ombro esquerdo de Sirlene, que morreu na hora.

O delegado ainda informou que, o homem supostamente ferido ainda não tinha sido localizado pela polícia. Três testemunhas oculares foram levadas para prestar depoimento na delegacia, uma delas se encontrava com as roupas sujas de sangue. “Precisamos identificar essa pessoa mencionada pelas demais testemunhas, que será muito importante no trabalho de elucidação do crime”, comentou.

Policiais da Companhia 83 da Polícia Militar dirigiram-se ao local e providenciaram isolamento da área para que não houvesse alteração da ‘cena do assassinato’ até a chegada dos peritos criminais e delegados de polícia.

A polícia científica examinou o box onde a vítima foi executada, colheu projéteis e outras provas que servirão para o esclarecimento do homicídio e suas circunstâncias. O trabalho pericial durou mais de uma hora. O corpo da mulher foi removido para realização de necropsia no IML regional.

Neste setor do CAB, comerciantes e frequentadores da feira alegam que presenciam constantes atos de violência provocados por pessoas alcoolizadas e até usuárias de drogas proibidas, algumas moradoras de rua. “Isso já deveria ter sido demolido pela prefeitura, porque é uma ameaça para todos os usuários da feira”, comentou um cidadão que prefere não se identificar.

Fonte: Alô Alô Salomão/ Odestaque