Barreiras: Assistência Social promove Roda de Conversa para consolidação e fortalecimento das redes de apoio à mulher vítima de violência

DSC_6399

DSC_6419

DSC_6447

DSC_6480

DSC_6499

DSC_6506

Capa (1)

A violência contra as mulheres não é apenas agressão física, existem outras formas de violência, que as vezes são mais difíceis de reconhecer e proporcionar apoio às vítimas, e tudo isso dentro do ambiente familiar. Para tratar dessa complexidade, a Secretaria Municipal de Assistência Social e Trabalho por meio do Centro de Referência de Atendimento à Mulher, Policia Militar da Bahia, Comando Ronda Maria da Penha, Delegacia de Atendimento à Mulher de Barreiras -DEAM, realizaram ontem, 23, uma roda de conversa.

O encontro aconteceu no Centro Cultural, e reuniu representantes de instituições ligadas à rede de proteção e enfrentamento a violência. Com o tema “A consolidação e Fortalecimento das Redes de Apoio à Mulher Vítima de Violência”, o público acompanhou o panorama de Barreiras, com orientações para o acolhimento e encaminhamento das mulheres vítimas de abusos físicos e psicológicos.

Na solenidade de abertura, o grupo de choro do Instituto São Francisco de Arte Cultura – ISFAC fez uma apresentação musical e poética relacionada à valorização das mulheres. Compuseram a mesa, a secretária de Assistência Social, Karlúcia Macêdo, a comandante da Ronda Maria da Penha Major Denice Santiago, o comandante do CPRO coronel Osival Cardoso, a comandante da Ronda Maria da Penha em Barreiras tenente Nina Marques, a delegada da DEAM Dra. Claudia Duarte, a coordenadora do CRAM Fabiola Bonfim, vereadores Otoniel Teixeira e Silma Alves.

Em seu pronunciamento, a secretária Karlúcia Macêdo agradeceu a presença da Comandante da Ronda Maria da Penha de Salvador, a Major Denice Santiago e apontou os pontos positivos que o trabalho do CRAM tem alcançado.

“O enfretamento à violência e apoio às vítimas é um trabalho construído no dia a dia. Existem muitas resistências ainda, principalmente da família do agressor e vítima, as mulheres se sentem desprotegidas e acuadas, e é nesse momento que precisamos estar do lado, abraçar e acolher, levando informações sobre direitos e restabelecer a autoconfiança. O CRAM, a DEAM, a PM e todos as instituições devem atuar em rede, para dar o suporte necessário para essas mulheres superarem a sensação de fragilidade e impunidade diante dos agressores”, disse Karlúcia.

O Comandante Osival Cardoso também pontuou as intervenções da Ronda Maria da Penha em Barreiras, e garantiu que até o início de junho o comando deverá receber viaturas e estrutura para ampliar o atendimento as ocorrências. A delegada Claudia Duarte apresentou dados da DEAM, que foi instalada em 2007 e anualmente registra mais de 700 ocorrências e procedimentos, informou ainda, que nesses primeiros meses de 2018, já foram encaminhados mais de 200 procedimentos.

Mas o grande momento estava voltado a participação da comandante da Ronda Maria da Penha, Major Denice Santiago, que desde 2015 comanda a operação na capital e interior. Com discurso firme, Denice já se tornou símbolo da luta contra o machismo dentro das relações familiares. Ela falou um pouco da sua história, dos 28 anos de profissão na corporação e da construção do empoderamento feminino.

“Barreiras já tem Ronda Maria da Penha, tem delegacia de atendimento à mulher, tem o CRAM e outras instituições jurídicas que estão à disposição das mulheres, e precisamos sim, nos tornarmos verdadeiramente mulheres e romper o ciclo, denunciar violência, agressões e qualquer tipo de intimidação psicológica. Não é mais admissível viver nessa redoma de medo e humilhação. As mulheres precisam entender que estamos aqui com a missão de protegê-las, torná-las mais fortes para que sigam suas vidas como cidadãs que merecem respeito e dignidade”, disse Major Santiago.

O assunto ainda foi discutido durante toda a tarde, com participação da coordenadora do CRAM, Fabiola Bonfim e da Tenente Nina Marques.

Dircom Barreiras